Christina Hoff Sommers fala sobre ‘cultura do estupro’.


sommers
O termo ‘feminismo’ é um balaio que inclui ativistas e ideologias bem distintos entre si. Embora o feminismo mais popular e vogal seja um movimento que considero odioso e abjeto, há feministas menos populares cujo discurso e ativismo são de fato igualitários. Um dos nomes mais importantes neste segmento é a doutora em filosofia, especialista em ética, Christina Hoff Sommers. Neste texto, traduzido por mim, ela fala sobre a tal ‘Cultura do estupro’.

A cultura de estupro é uma histeria onde paranóia, censura e falsas acusações florescem

Christina Hoff Sommers
15 de maio de 2014

traduzido de http://time.com/100091/campus-sexual-assault-christina-hoff-sommers/


Christina Hoff Sommers é uma estudiosa residente no American Enterprise Institute, contribuinte da revista TIME e autora de vários livros, incluindo The War Against Boys (A guerra contra os meninos).

Em 27 de janeiro de 2010 funcionários da Universidade de Dacota do Norte puniram o estudante Caleb Warner por ter abusado sexualmente de uma colega. Ele insistiu que o encontro foi consensual, mas foi considerado culpado por um tribunal acadêmico e por isso expulso e banido do campus.

Poucos meses depois, Warner recebeu uma notícia surpreendente. A polícia local havia determinado não só que Warner era inocente , mas que a suposta vítima tinha deliberadamente falsificado suas acusações. Ela foi acusada de mentir para a polícia preenchendo um relato falso, e fugiu do estado.

Casos como o de Warner estão se proliferando. Aqui está uma lista parcial de rapazes que recentemente entraram com ações contra as suas instituições de ensino no que parece ser uma brutal discriminação nos tribunais acadêmicos de agressão sexual: Drew Sterrett, da Universidade de Michigan; John Doe , de Swarthmore;  Anthony Villar – da Universidade da Filadélfia; Peter Yu – de Vassar;  Andre Henry – da Universidade do Estado de Delaware; Dez Wells – de Xavier; e Zackary Hunt – de Denison.

“Culpado até provar o contrário” é o novo princípio jurídico quando o sexo está em causa.

A agressão sexual no campus é um problema real, mas a nova cruzada em torno da “cultura do estupro” está ficando feia. A lista de jovens acusados falsamente submetidos aos tribunais de araque da justiça está crescendo em ritmo acelerado. Alunos da Universidade de Boston exigiram que um show de Robin Thicke fosse cancelado: seu hit Blurred Lines é, supostamente, um hino de estupro. (Inclui as palavras: “Eu sei que você quer.”) Professores de Oberlin, UCLA, Santa Barbara e Rutgers foram instados a colocar advertência nas ementas que incluem livros como O Grande Gatsb: “muita violência misógina”. Este movimento está se transformando nossos campi em ambientes hostis para a liberdade de expressão e para o julgamento justo. E até agora, funcionários da universidade, líderes políticos e a Casa Branca estão embarcando nesta canoa.

Parece que estamos no meio de um desses surtos onde paranóia, censura e acusações falsas florescem e pessoas geralmente sensatas abandonam suas capacidades críticas. Não estamos diante de algo tão extremo como os julgamentos das bruxas de Salem ou as inquisições de McCarthy. Mas o movimento sobre a “cultura do estupro” de hoje tem algumas semelhanças a uma histeria que tomou conta de creches em 1980.

Em agosto de 1983, uma mãe angustiada relatou à polícia que seu filho de 2 anos de idade havia sido abusada horrivelmente na pré-escola McMartin em Manhattan Beach, Califórnia. Ela descreveu uma rede de túneis subterrâneos, onde os funcionários da escola haviam sodomizado seu filho e o obrigado a assistir a sacrifícios de animais. A mãe estava mentalmente perturbada e sua história não tem base na realidade. Mas a mídia aproveitou a história, e a paranóia sobre cultos satânicos se tornou uma epidemia nacional. Os pais já estavam no limite: grupos de defesa, políticos e os meios de comunicação tinham advertido que cerca de 50.000 crianças tinham sido sequestradas por estranhos, e 4.000 delas assassinadas, a cada ano. Com a propagação da notícia da barbárie McMartin funcionários de creches de todo o país se viram implicados no crime de abuso infantil satânico. Uma rede nacional de abuso-terapeutas prontamente se materializou. Através do uso de técnicas de entrevista intimidante, eles encorajavam as crianças a “lembrar” dos terríveis abusos em sua creche.

Os terapeutas do abuso se juntaram a um grupo influente de feministas conspiracionistas, incluindo Gloria Steinem e Catharine MacKinnon. Quando alguns feministas civil-libertários como Carol Travis, Wendy Kaminer, Ellen Willis e Debbie Nathan tentaram alertar sobre a caça às bruxas, foram vilipendiados pelo agitadores da conspiração como backlashers, apologistas de abuso infantil, e “coxinhas manipulados pela mídia misógina”.

Desde o início do susto em 1983, até seu fim, em meados da década de 1990, um número incontável de crianças foram submetidas a terapias manipulativas e centenas de adultos inocentes enfrentaram acusações de abuso infantil ritual. Vários dos acusados passaram anos de prisão por crimes que nunca aconteceram. Um recente artigo do portal Slate chamou de “um dos pânicos morais mais prejudiciais na história da América”, que só começou a diminuir quando jornalistas céticos trataram de verificar e investigar os fatos. Uma história de 1985, no Los Angeles Times informou aos leitores que, de acordo com relatórios do FBI, o número de sequestros de crianças por estrangeiros em 1984 foi de 67, e não 50 mil.

O pânico sobre estupros na faculdade de hoje é uma recapitulação estranha do pânico sobre abusos na creche. Assim como o mítico “50 mil crianças raptadas” alimentou a paranóia com a segurança da criança na década de 1980, do mesmo modo a histeria de hoje é incitada pela constante repetição de igualmente fictícios “um em cada cinco mulheres no campus é vítima de estupro” que até mesmo o presidente Barack Obama abraçou.

O número um em cada cinco é derivado de pesquisas tendenciosas onde amostras de inquiridos são feitas uma combinação engenhosa de perguntas simples e manipuladoras, que relembram as entrevistas por trás das agitações da creche.

Um estudo muito cidado, por exemplo , primeiro diz aos entrevistados: “Por favor, lembre-se que mesmo se alguém usa álcool ou drogas, o que acontece com eles não é culpa deles.” Em seguida, ele pergunta: “Quando você estava bêbado, alto, drogado, ou desmaiado e incapaz de consentir, quantas pessoas já fizeram sexo vaginal com você.” Conta-se todos esses encontros sexuais como estupros.

Estudos respeitáveis sugerem que entre as mulheres universitárias aproximadamente uma em cada quarenta são vítimas de estupro ou agressão sexual (agressão inclui ameaças verbais, bem como agarrões sexuais indesejados e carícias). Uma em cada quarenta ainda são muitas mulheres. Mas isso dificilmente constitui uma “cultura do estupro”, exigindo a intervenção da Casa Branca.

Mais uma vez, feministas da conspiração estão na vanguarda desse movimento. Assim como psicólogos feministas convenceram as crianças que tinham sido abusadas, assim ativistas femininas persuadiram muitas mulheres jovens que o que elas poderiam ter descartado como um encontro casual depois de uma bebedeira era realmente um crime de estupro. “Acredito nas crianças”, disseram os especialistas de abuso ritual durante a paranoia da creche. “Creio nas sobreviventes”, dizem culturalistas do estupro de hoje. Não acreditar numa suposta vítima é correr o risco de ser acusado de apoiador do estupro.

Alguns vão dizer que esses pânicos morais, mesmo exagerados, ao menos chamam a atenção para problemas sérios. Isso é profundamente equivocada. A histeria em torno de abuso creche e campus estupro não lança nenhuma luz: ao contrário, elas confundem e desacreditam casos genuínos de abuso e violência. Molestamento e estupro são crimes hediondos que merecem atenção séria e vigorosa resposta. Panico gera caos e linchamento. Eles punem vítimas inocentes, minam a confiança social, e nos ensinam a duvidar da evidência de nossa própria experiência.

E.M. Forster disse isto melhor em A Passage to India, referindo-se a um pânico entre “bons cidadãos” após uma acusação altamente duvidosa de estupro: “A piedade, a ira, e o heroísmo os encheu, mas o poder de somar dois mais dois foi aniquilado.”

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s